MulherNaoPresta

Seu guia online sobre como tratar as mulheres e valorizar a si mesmo.

Archive for the ‘Estilo’ Category

Cabelo é tudo

with 6 comments

Há meses me solicitaram pelo formspring um post sobre cabelos e formatos do rosto.

De fato, cabelo é tudo. Invista no seu. Procure o melhor cabeleireiro de sua cidade, ou o segundo melhor, ou o terceiro melhor e converse, fale com ele.

A maioria das pessoas chega e diz , quero um corte bacana mas sério, nada muito chamativo, algo descontraído e ao mesmo tempo estiloso, mas que não seja muito desleixado”

o cabeleireiro pensa “Ahan, vc e o rest oda cidade” e faz um corte básico, sem arriscar, para atender ao seu desejo multiação.

Faça diferente. Especifique em detalhes primeiro para você mesmo. Busque fotos, busque referências. Depois vá conversar com o cara ( de preferência um gay. Gays tem uma boa noção de estética e são perfeccionistas) leve suas referências, explique ocmo você quer e deixe-o trabalhar, arrisque mais, tente, inove.

Segue o post, retirado do blog www.portaisdamoda.com.br no dia 27 de agosto de 2010, as 18h37

O cabelo é considerado a moldura do rosto, aquilo que dá forma à cabeça da pessoa. É um cartão de visitas. Dessa forma, antes de se escolher um corte, deve-se analisar o tipo do fio e principalmente o formato do rosto. Bem, se o espelho era evitado porque algo incomodava, homens procurem um agora e aprendam com a que a solução pode ser simples e rápida. Basta um corte adequado ao seu tipo de rosto.

Podemos classificar os tipos de rosto em quatro categorias: Triangular, redondo, oval e retangular. Acompanhe abaixo a ilustração e algumas dicas sobre cortes de cabelo masculino para os respectivos rostos.

Formatos de rosto. Foto:Divulgação

Triangular: Possui uma fronte mais estreita e um maxilar grande. Na lateral da cabeça pode-se deixar o cabelo um pouco mais desfiado pois o volume na lateral salienta a testa que já é larga.

Redondo: A característica principal desse tipo de rosto é não possuir ângulos definidos e com tendência a ser mais largo na linha das maçãs-do-rosto e, com “cantos” mais suaves ao longo do maxilar e da fronte. Esse formato necessita ser alongado e o recurso é tirar volume das laterais. Na parte superior desfia-se o cabelo para dar a impressão de um rosto um pouco mais quadrado.

Oval: São caracterizados por serem mais largos na região das maçãs-do-rosto, do que na fronte ou no maxilar. Apresenta-se levemente mais largo na linha das maçãs e, à medida que avança em direção ao queixo, estreita-se. Esse formato permite certos desleixos e um uma variedade maior de penteados em virtude da harmonia existente entre os traços.

Retangular: Possui uma fronte larga e um maxilar amplo. Pede cortes mais irregulares como por exemplo, tirando-se um pouco do comprimento e deixando-o mais desfiado.

Danusa Spricigo Pasqual
Redação

Anúncios

Written by mulhernaopresta

27/08/2010 at 21:40

Publicado em Estilo

Perfume. Sedução pelo cheiro

with 3 comments

Domine a arte de combiná-los com as situações adequadas e sua personalidade. Sua presença vai chamar a atenção e você pode ser tornar inesquecível. Mas para dominar ou, pelo menos entender um pouco mais, você precisa de informações. E, para um assunto como esse, você precisa de algo maior do que o nosso amigo google pode proporcionar.

Por isso, pedi auxílio a quem entende do assunto para montar um primeiro post. O assunto Perfumes é como o assunto Vinho. Extenso e com várias ramificações.

Este é apenas o primeiro. Eventualmente postaremos mais detallhes. Boa leitura.

Por @palinetes (sim, ele mais uma vez. Sim, o cara manja)

Perfumes, através dos séculos, sempre tiveram, mesmo que inconscientemente, uma única função: tornar-nos mais atrativos ao sexo oposto. A atração vai muito além do olhar, há quem diga, e alguns artigos constatam, que ainda possuímos muito atração pelo cheiro, muitas vezes um cheiro faz com que a química seja ainda maior, por motivos naturais. Nós normalmente já exalamos cheiros, hormônios, feromonios, enfim temos uma identidade própria nesse quesito e a escolha de um perfume é faz toda a diferença.

Conversar com alguém com um cheiro que coincida com sua personalidade, é um dos fatores  que podem lhe fornecer a vitoria no processo da conquista. Isso, obivamente, é valido não somente para os homens, mas para as mulheres. Elas também possuem os mesmos artefatos, mas pela cultura e convivência das gerações isso já é meio que imposto pela sociedade e até mesmo pelas mães, tias e avós. Já entre os homens, somente os mais cultos possuíam essa cultura de se cuidar e possuir um cheiro agradável e não o cheiro de um urso após 6 meses de inverno.

Perfumes na historia do homem tiveram diversas utilidades, iniciaram como uso de perfumar na remota época dos faraós onde o processo de embalsamação utilizava óleos para perfumar o corpo até seu enterro, o que na época poderia demorar anos, dependia do andamento da construção de sua pirâmide ou tumbas no Vale dos Reis. Acredita-se que os próprios egípcios começaram o uso para o dia a dia, já os faraós e pessoas do “clero” utilizavam para dar um caráter de status. No passar do tempo o uso de perfumes foi sempre restrito a pessoas muito ricas e era uma forma de identificação de riqueza, afinal poucos poderiam usar algo tão valioso “somente” para ter um cheiro mais aceitável devido às condições de higiene no passar dos reinos pós-inicio do cristianismo, algumas das maiores pragas, pestes eram devido à falta de higiene, as classes ricas usavam perfumes para esconder os odores.

Nos dias atuais, o perfume tem um papel fundamental na arte da conquista. Ele é sua identificação.  Ele reflete toda sua personalidade através de uma boa escolha. O perfume deve se adequar ao PH da sua pele. A acidez altera as notas do perfume e por isso deve-se aprender como o ele reage com sua pele, pois cada um terá uma combinação e características diferentes. É importante saber isso, porque a reação do perfume com o PH também afetará o tempo em que ele permanecerá no seu corpo. Sua personalidade exige também um certo trato na hora de escolher. Por exemplo, uma pessoa seria não combina muito bem com perfumes muito frutais, eles não passam seriedade porém são ideais para ambientes mais descontraídos. Geralmente pessoas mais sérias combinam com notas amadeiradas com um início frutal ou floral.

Existem também identificações entre o cheiro e a forma de se portar. O importante não é se prender exatamente ao cheiro, e sim se o perfume expressa sua forma de pensar, a forma de levar as coisas. Perfumes são assinaturas mais táteis do que se pode imaginar. Um bom perfume pode atrair pessoas assim como pode fazer o papel inverso, imagine um homem de quase 2 metros de altura e 1 de largura usando um perfume “Giovanna Baby” com aroma de talco, qual será a reação das pessoas?

O perfume pode transformar-se em seu cartão de visitas. É preciso saber escolher para não cometer gafes.

A forma que você se veste também influencia na forma que você deve cheirar. Um bom perfume frutal combina com roupas mais claras, para climas mais tropicais. Tentar usar a mesma fragrância no inverno quando o nariz das pessoas esta mais sensível a mudança, alergias entre outros problemas, é uma FAIL na certa.

As pessoas costumam tratar o perfume de forma errada. Por terem geralmente frascos lindos como obras de arte, muitas mulheres e homens acabam jogando fora as embalagens, o que pode acarretar em um desgaste das notas. Como perfumes tem muitos cereais, óleos e essências, os raios UV, calor excessivo podem danificar as notas e alterá-las muitas vezes, sem contar a oxidação. É preciso sempre manter os perfumes em suas respectivas embalagens, raras exceções de perfumes em frascos de alumínio para justamente evitar esse deslize que muitos usuários cometem e, obviamente, preservar melhor o produto.

Os perfumes têm diversas formas de fabricação e sua classificação depende do processo de misturas, sendo classificado pela concentração de cada um dos componentes químicos da formula básica.

A concentração de uma fragrância pode ser classificada de acordo com a quantidade de óleos aromáticos diluídos em um solvente (mais comumente etanolágua):

Parfumee (extrato de perfume): a forma mais concentrada, entre 20%-40% (~25%) de compostos aromáticos (essência).

Eau de parfum EdP (deo perfume): varia de 12-18% (15%) de compostos aromáticos (essência).

Eau de toilette EdT: 8-14% (10%)de compostos aromáticos (essência).

Eau de cologne EdC (deo colônia): 3-7% (5%), baixa concentração de essências (essência).

Splash Perfumes EdS: 1% de compostos aromáticos (essência).

Formulas Básicas

Parfum: álcool de cereais (95%Vol Etanol)64% propilenoglicol: 3% água deionizada: 8% a 12% essência: 20 a 40% (~25%)

Eau de parfum: álcool de cereais (95%Vol Etanol): 75% água deionizada: 8% a 12% essência: 12 a 18% (~15%)

Eau de toilette: álcool de cereais (95%Vol Etanol): 80% água deionizada: 8% a 12% essência: 8% a 14% (~10%)

Eau de cologne: álcool de cereais (95%Vol Etanol): 85% água deionizada: 8% a 12% essência: 3 a 7% (~5%)

Splash Perfumes: álcool de cereais (95%Vol Etanol): 85% água deionizada: 8% a 12% essência: ~1%

As fragrâncias classificam-se em:

Cítricos Florais: quando utilizam matérias-primas extraídas de cascas de frutas tais como lima, limão, laranja, pomelo, tangerina, mandarina, entre outras. Também se denominam “frutados”.

Florais Aldeídos: a matéria prima é extraída das flores naturais ou desenvolvida sinteticamente em laboratórios. As notas têm caráter delicado, sutil e discreto.

Fougère: elaborado a partir de matérias-primas leves e frescas, normalmente extraídas de madeira, por isso são conhecidos como amadeirados, e a elas se juntam a mistura de alcoóis, tubérculos e raízes. São muito utilizados em fragrâncias masculinas.

Chipre Florais: fabricados com matérias-primas advindas de musgos, normalmente do carvalho. São os perfumes mais clássicos e sofisticados.

Orientais Florais: suas misturas são constituídas normalmente das tuberosas, baunilha, patchouly, ylang ylang. Inspiram sofisticação, são marcantes, misteriosos e super sensuais.

Couros Secos: fragrâncias extremamente secas, com características dominantes. Suas matérias primas são extraídas do tabaco, de madeiras, couros, musgos etc.

Aldeídos Florais: geralmente são misturas sintéticos, também usados nos perfumes muito clássicos e sofisticados. Possuem certo frescor inicial característico e picante.

Aromáticos Secos e Frutados: são misturas de secos e frutados, que criam uma fragrância híbrida. Geralmente usam condimentos como cominho, estragão e manjericão, além de especiarias como o cravo, canela, noz-moscada e até mesmo a pimenta.

Informações químicas retiradas de:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Perfume

Curiosidades interessantes sobre perfumes

http://www.dominiofeminino.com.br/perfumes/perfume_magia.htm

Written by mulhernaopresta

09/03/2010 at 0:00

Publicado em Estilo, Valorize-se

Apreciadora de Vinhos

with 22 comments

Há algumas semanas recebi uma pergunta no meu formspring que me redeu o seguinte twit:

Algumas mulheres acreditam que um bom sedutor deve entender sobre vinhos. Estude o suficiente para que elas acreditem em você.

A pergunta era algo parecido com: “Nesse calor qual vinho é o seu?”
E a minha resposta foi algo parecido com: “nesse calor é água de coco, suco de laranja e, no máximo uma cerveja. Cuidado com o Álcool. Ele faz desidratar. Se quiser beber vinho beba o dobro de água.”
A réplica dela foi mais ou menos “Ah, vc não é do clube do vinho. Quase fez suas dicas de sedução irem por água abaixo.”

Isso me lembrou de algumas situações que já presenciei e comentários femininos que já ouvi.

A verdade é que algumas cabeças femininas fantasiam em excesso pelo tipo de homem ideal. Fantasiam tanto que passam a acreditar na ilusão de que um bom sedutor é um bom conhecedor de vinhos, como se alguma coisa tivesse total relação com a outra. Algumas até fazem disso um pré requisito altamente exigente do homem que ela deseja e procura. Claro, junto com os demais atributos: ser alto, bonito, transar maravilhosamente bem, ter grana, tratá-la como uma rainha, entre outras coisas.

Sendo assim, faça o que elas querem. Diga o que elas querem ouvir. Se ela for apreciadora de vinhos, conheça sobre vinhos, conheça sobre determinados lugares, vista-se bem, seja elegante e saiba escolher alguns bons perfumes masculinos para usar. Assim você aproveita para aprender coisas novas, a segunda melhor atividade de qualquer homem ou mulher inteligente no mundo.

E é exatamente por isso que montei este post, durante o feriado de carnaval, com capricho e dedicação.

O assunto vinho é extenso e existem variações em sua produção dignas de um profundo estudo que só um mestre Enólogo poderia dominar com perfeição. O Enólogo é um profissional formado em Agronomia com especialização em Enologia, ou formado em uma faculdade de Enologia. Portanto, pra manjar de verdade sobre vinhos só com anos de estudo. A sua apreciadora de vinhos provavelmente terá um conhecimento superficial ou no máximo médio sobre Vinhos. A menos, claro, que ela tenha feito uma especialização, o que é praticamente improvável.

Portanto, fiz uma busca, selecionei e resumi o que você precisa saber para um primeiro encontro com uma apreciadora de vinhos e, talvez, até um pouco mais baseado nas informações do site www.academiadovinho.com.br

Preparado para se tornar um homem melhor do que você era ontem? Ótimo porque O post é longo.

Vamos a ele:

São basicamente 6 tipos de vinho existentes:

1. Vinhos Brancos
2. Vinhos Tintos
3. Vinhos Rosé
4. Vinhos Espumantes
5. Vinhos Fortificados
6. Vinhos Doces

O modo de preparo desses vinhos é quase o mesmo, com apenas algumas modificações. O vinho branco, por exemplo, pode ser feito com uvas brancas, tintas ou rosadas, desde que as cascas não participem da fermentação. O que muda é o estilo gustativo entre vinhos brancos elaborados com uvas brancas ou uvas tintas, ou seja, uma leve alteração no sabor. –Ah, lembre-se de sempre dar uma floreada convincente nas palavras. Sabor + acidez + textura = estilo gustativo.

Tenha em mente que Vinho lembra requinte e requinte é toda ação e atitude de bom gosto. Mesmo que a intenção verdadeira seja foder com toda a vontade e dizer as coisas mais sujas possíveis, a mensagem final deve ser: “sou um gentleman”, independente de como ela se insinua pra você, à medida que for bebendo mais taças de vinho.

1. Vinho Branco

1.1. O que você precisa saber:
Sobre a Elaboração: Para elaboração do vinho branco é necessário extrair apenas o suco da porção situada entre a casca das uvas e as sementes (teor ideal de açúcar e ácidos). O produto das uvas prensadas é o mosto, a matéria prima da fermentação de onde será produzido o vinho.
Sobre a Decantação: acontece de 5 a 12 horas e a fermentação, em tonéis de aço inox a temperaturas baixas.

Sobre a Clarificação: É um dos processos de limpeza do vinho, também chamada de colagem, onde ocorre a aglutinação das partículas suspensas no vinho. Esse processo é simples e natural. Exatamente por isso é utilizado há séculos e é o que faz do vinho uma bebida requintada. Este processo é utilizado pelas pequenas vinícolas, dedicadas à produção de vinhos Premium.
Para os vinhos mais chumbregas, digamos assim, não se usa o processo de clarificação ou colagem, se usa a filtração. É o caso de produção de vinhos em massa.

1.2. Combinações:
Não faça regras absolutas sobre combinações de vinhos. Como tudo que envolve gosto pessoal pode se tornar um assunto complicado, apenas utilize as sugestões como referência, uma diretriz e aproveite para iniciar uma discussão saudável com ela, sobre as preferências de vocês.
Para facilitar e fixar na memória, o vinho branco combina com sabores leves e menos ácidos.

Vai bem com:

•Carnes Brancas: Frango, Peru, Chester, Filé de Merluza, Iscas de Cação, Camarão, Frutos do Mar, Salmão, Atum, Anchova, etc.;
•Massas ao molho branco: Lasanha de massa de espinafre com frango ao catupiry, Macarrão 4 queijos, Macarrão Alho e Óleo, etc.;

•Queijos: Frescal, Ricota, Requeijão, Brie, Camambert e Coulommiers, Mozzarela, Roquefort, Gorgonzola, Stilton, Danablue.

Não combina com:

Há muita discussão sobre esse assunto e, como não dar o braço a torcer, para alguns, é quase uma questão de vida ou morte, gera polêmica. Mas eu gosto disso. Inclusive fique a vontade para xingar quem você quiser caso não concorde com nada do que está escrito aqui.
Pratos preparados com Curry, Dendê, Shoyu, Wasabi, Alcachofra, Aspargos, Couve, Ovo, Feijoada, Kiwi, Laranja, Chocolate, Vinagre, etc.
Hum, já posso sentir alguém discordando.

2. Vinho Rosé

2.1. O que você precisa saber:
Sobre a Elaboração: Rosés são vinhos com características de vinhos brancos que, durante sua elaboração, receberam uma pequena quantidade de componentes de vinhos tintos como a cor, utilizando a pigmentação da casca da uva e tanino, o que modifica bastante sua estrutura gustativa. (Ao pronunciar “estrutura gustativa”, lembre-se de encostar os dedos indicadores, médio e anelar no polegar e trazê-los próximos ao queixo, para parecer que você praticamente sente o gosto do vinho ao pronunciar).

O rosé é um vinho delicado como o branco, mas com um sabor mais acentuado o que os capacita a acompanhar pratos mais estruturados, onde um vinho branco ficaria leve demais.

Existem várias formas de se produzir um vinho rosé, variando em qualidade conforme o processo: Utilizando uvas tintas ou misturando uvas brancas e tintas.

É comum a prática de fazer uma sangria na produção de vinhos tintos. A sangria consiste em retirar parte do líquido do mosto (o resultado das uvas prensadas), antes da fermentação para concentrar a presença dos componentes sólidos das uvas esmagadas (polpa e cascas).

Alguns consideram os vinhos rosé como vinhos de baixa qualidade ou vinho de mulher, pois são apenas um subproduto aproveitado. (Deixe-a puta. Se ela for orgulhosa e gostar de vinho rose, explique este parágrafo tranquilamente pra ela.)

2.2. Combinações

Vai bem com:

Frutos do mar acompanhados de molhos mais fortes: Atum, salmão, Anchova e sardinha ao molho de tomate por exemplo.

Não combina com
De novo, pratos preparados com Curry, Dendê, Shoyu, Wasabi, Alcachofra, Aspargos, Couve, Ovo, Feijoada, Kiwi, Laranja, Chocolate, Vinagre, etc.

3. Vinho Tinto


3.1. O que você precisa saber:

Sobre a Elaboração: Para se produzir vinhos tintos, são necessárias uvas tintas, pois a cor dos tintos vem dos pigmentos (antocianinas) contidos nas cascas dessas uvas.

Também nas cascas das uvas tintas existe um componente típico, os taninos, responsáveis pela sensação gustativa de adstringência, ou travo na boca. (Viu só? Sensação gustativa de adstringência).
Pode-se dizer que quanto mais cor, mais tanino terá um vinho tinto, com exceção dos maturados.
Sobre a Fermentação: A fermentação é a reação química que acontece dentro do mosto (o resultado das uvas prensadas), transformando o açúcar das uvas em álcool. Este processo é feito em tonéis de madeira ou de aço inox.

Para iniciar a fermentação, utilizam-se leveduras selecionadas como a pé-de-cuba. A temperatura de fermentação varia de 25 a 30 ºC, mas atualmente usam-se tanques com temperatura controlada para se obter resultados mais finos e intensos em aromas e sabores. (Fermentação é tudo).
Sobre estabilização: Em recipientes inox ou de concreto revestidos de epóxi ou tonel de carvalho (3-4 meses) com sucessivas trasfegas. As trasfegas são trocas entre recipientes.

Para encorpar o assunto com ela:
Em várias regiões do mundo é comum misturar-se diferentes uvas, em proporções controladas, com o objetivo de se criar um vinho mais equilibrado e mais rico em características. Esses são vinhos de corte, ou de assemblage (montagem, em francês).
Essa mistura de uvas não caracteriza, necessariamente, como vinhos de qualidade inferior. Exemplos de vinhos de corte tradicionais são o Bordeaux, Valpolicella e Chianti.
Sobre amadurecimento: Os vinhos tintos se beneficiam de um estágio em pipas ou barricas de madeira (preferencialmente carvalho), onde os taninos jovens são ‘amaciados’ pelo contato com a madeira, diminuindo o tempo necessário para que o vinho tenha um estilo gustativo (ahhhh, olha o “gustativo” aí de novo) mais agradável. O tempo de maturação varia de alguns meses a vários anos, dependendo do vinho, da região e dos objetivos do proprietário da vinícola.
Pronto, agora deixe que ela fale um pouco enquanto o garçom traz os pratos.

3.2. Combinações:

Combina com peixes: Bacalhau, Salmão, Atum;
Carnes brancas grelhadas ao molho forte;
Carnes vermelhas, tanto ao molho leve como ao molho forte.

4. Espumantes

4.1. O que você precisa saber:

Existem vinhos espumantes em praticamente todos os países vinícolas, como as Cavas na Espanha, o Sekt na Alemanha e o Asti e o Prosecco na Itália. A maioria deles é elaborada através dos métodos criados e utilizados na França para elaboração de seus espumantes: o Método Champenoise, utilizado na elaboração dos sempre famosos Champagnes e o Método Charmat, pelo qual são feitos os espumantes de menor qualidade.

O método Champenoise foi desenvolvido na França e na região de Champagne.
Até hoje o método Champenoise é utilizado nas famosas casas francesas da região de Champagne, por ser o método que garante uma qualidade superior aos vinhos produzidos dessa forma.
Sobre a Elaboração: Existem dois processos: a primeira fermentação e a segunda fermentação. A primeira Inicia-se a partir de um vinho já pronto (vinho-base) que deve ter maior acidez e menor teor de álcool que um vinho pronto para consumo.

O processo de segunda fermentação, que produz o a espuma, é chamada, obviamente, de tomada de espuma. É realizada em ambiente fechado, sem deixar escapar o gás carbônico gerado durante a fermentação.

4.2. Combinações:

Vai bem com:

Massas ao molho leve ou branco.
Massas ao molho condimentado (forte) ou vermelho
Carnes vermelhas ao molho leve.
Peixes ao molho leve ou crus, como no caso do sushi.

5. Fortificados

5.1. O que você precisa saber:

Para resumir, os vinhos fortificados são os que recebem aguardente vínica, tornando-se mais alcoólicos e, portanto, mais fortes. Existem três mais famosos: o Vinho do Porto, o Jerez (ou Xerez ou Sherry) e o Vinho Madeira.

Respire fundo, está acabando. Dentre de alguns minutos você será um homem mais bem informado e terá assunto para um bom papo com ela.

6. Vinhos Doces
6.1. O que você precisa saber:

São vinhos especiais, também chamados vinhos de sobremesa ou pudding wines.
Sua principal característica é preservar parte do açúcar natural das uvas em sua elaboração, tornando-se doces.

O que fará a diferença com ela: Não confunda vinhos doces com vinhos suaves, os quais, apesar de também doces, são vinhos comuns que recebem açúcar externo após sua elaboração.
Sobre a Elaboração: Para elaborar vinhos doces naturais é preciso uvas especiais, com uma concentração de açúcar muito mais alta.

Para isso é preciso colher as uvas um pouco mais tarde, ou seja, elas não são colhidas no momento pleno da maturação, como de costume em todos os vinhos. São deixadas na parreira várias semanas após a data ideal de colheita, o que ocasiona uma desidratação e o conseqüente aumento da concentração de açúcar. O mosto obtido dessas uvas é bastante espesso, semelhante ao mel.

O volume obtido é muito menor, devido à redução da água. Geralmente uvas colhidas na época de colheita produzem um litro de mosto. No caso das uvas com maior concentração de açúcar, a produção de mosto cai para apenas 350 ml.

7. Degustação. Hora de você agir:
7.1 Cenário

Nenhum dos três sentidos, visão, olfato ou paladar pode ser negligenciado para se descobrir as qualidades de um vinho. E não é uma tarefa fácil, portanto, maneire no teatro. Os passos abaixo não precisam ser seguidos, mas é bom conhecê-los:

A. Coloque uma quantidade de vinho correspondente a 1/3 ou, no máximo, metade do volume da taça.
B. Incline suavemente a taça de modo à melhor visualizar a superfície de vinho a ser observado que se torna elíptica e, portanto, maior.
C. Contra um fundo branco (uma folha de papel, um guardanapo ou a toalha da mesa) devem ser observados os seguintes aspectos:

Limpidez
Todo vinho correto deve apresentar-se límpido, isto é, sem partículas em suspensão e sem depósito no fundo da garrafa, com exceção dos vinhos de longa guarda. A presença dessas partículas, geralmente, indica que o vinho é mal feito.

Transparência
Um vinho correto não pode estar turvo, deve apresentar-se transparente. Observe os olhos dela através da taça com vinho. Se ela conseguir ver os seus, o vinho está ok.

Brilho
As características de limpidez, viscosidade e transparência causam reflexos intensos nos vinhos, que podem apresentar um aspecto brilhante. Não é um sinal absoluto de qualidade, mas os grandes vinhos em geral apresentam brilho intenso.

Viscosidade
Todo vinho deve apresentar viscosidade, que é certa aderência do líquido nas paredes da taça, Quando é agitada e colocada em repouso, o vinho escorrerá da parede da taça, lentamente, em filetes, denominados lágrimas, pernas ou arcos. A formação das lágrimas é devida à tensão superficial e evaporação de álcool do vinho. Se tiver pouca densidade é um vinho “aguado”, escorre rapidamente nas paredes da taça, o que indica que esse vinho terá pouco corpo, e não terá na boca aquela sensação aveludada.

Cor
A cor de um vinho dá informações importantes sobre ele. Depois da observação geral da cor, inclina-se a taça. A intenção é deixar o líquido contido na taça numa forma quase elíptica.Assim, poderão ser identificadas duas regiões: a região central ou olho onde a cor é mais concentrada, e a borda periférica ou anel que tem cor menos concentrada, pois o volume de vinho é menor nessa região e a cor fica esmaecida.

Com o envelhecimento, os vinhos tintos vão tomando tonalidade alaranjada. Embora o olho possa ainda estar vermelho intenso, a mudança começa a ser percebida no anel. Já nos brancos o envelhecimento provoca mudança de cor amarelo palha para dourado.

Note a diferença de cor entre um vinho considerado jovem e um envelhecido

Variações de cor:
Tintos Jovens: De violeta pálido a rubi intenso
Tintos Maduros: De rubi pálido com reflexos alaranjados a marrom tijolo (âmbar)
Brancos Jovens: De amarelo palha com reflexos esverdeados ou com reflexos dourados
Brancos Maduros: De levemente dourado a intensamente dourado
Rosés Jovens: De rosa claro à rosa escuro
Rosés Maduros: De rosa escuro com reflexos dourados até âmbar

8. Leve-a para cama

Se você for bem até aqui, não precisa se desesperar em tomar alguma atitude. Nesse ponto ela estará tão envolvida – e alegrinha – que bastará conduzi-la. Leve-a pra algum lugar de bom gosto. Levá-la a um motel escroto é jogar fora todo seu empenho. Para não correr riscos, leve-a ao seu apartamento (mas dê uma geral nele ou contrate uma diarista antes) ou, de preferência, leve-a pra casa dela e fique por lá. Relaxe e a deixe no comando nos primeiros minutos. Depois a domine. Ela estará quase bêbada, e você também. Tudo vai parecer mais natural.

Nos próximos encontros deixe que ela ensine você sobre vinhos. Não há necessidade de manter as aparências de que você tem conhecimento sobre vinhos, nem mesmo dar uma de entendido sobre o assunto e cometer gafes babacas.Não tenha vergonha de aprender algo com ela e de assumir que não sabe sobre alguma coisa. É da troca de informações que a humanidade evolui. Por isso, enxergue-a como uma pessoa que acrescentará algo em sua vida, no caso, ela irá ajudá-lo a entender um pouco mais sobre vinhos, provavelmente sobre queijos e, se ela realmente entender do assunto, sobre requinte, sobre como apreciar pequenos detalhes que fazem a diferença e a desenvolver seu bom gosto.
Caso o relacionamento não vá pra frente, você poderá usar as informações deste post e o que ela te ensinar para a sua próxima investida.

Mas, e quanto à resposta da romântica incorrigível lá do começo do post, sobre vinho para o verão?

Bem, eu fui descobrir: Alguns tipos de vinho branco são boas opções, mas, para não errar, escolha, entre rosés, espumantes e doces.

Mais detalhes interessantes e informações claras:
http://clubedevinhos.com/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Vinho
http://www.adegavinhos.com.br/

De nada.

Written by mulhernaopresta

16/02/2010 at 13:31