MulherNaoPresta

Seu guia online sobre como tratar as mulheres e valorizar a si mesmo.

Conhece-te a ti mesmo

with 2 comments

Texto retirado do site yahoo no dia 9 de fevereiro de 2010, às 18h52

Sandra Maia*/Especial para BR Press

(BR Press) – É nas relações que nos encontramos e também nos perdemos. É- o amor deveria mesmo libertar, fazer-nos mais. Mais felizes, mais íntegros, mais possíveis – mais por muito mais tempo… A questão é que enlouquecemos no durante – o que elimina as possibilidades de chegarmos ao relacionamento saudável. O fim chega muito antes…

Você vai concordar comigo: todo início de relação é mágico. Ficamos mais bonitos. Mais vaidosos. Mais atraentes. Fazemos-nos melhor em todos os sentidos. Isso quer dizer que nos encontramos! Entramos naquela fase de encantamento. Vale frisar: esse encontro traz consigo liberdade, amor, força, tudo o que nos afasta do medo, da ilusão, do ego…

Ok! É também verdade que além de nos amar mais, vamos amar ainda ao outro a nova condição, a relação e todas as suas oportunidades. Tornamo-nos deslumbrantes. E isso é explicado até mesmo pela ciência. Quimicamente, nosso organismo passa por uma série de transformações quando nos apaixonamos, que contribuem para o brilho.

Problemas
A questão é que, com o tempo, deixamos de focar em nós. No que nos faz bem. No que nos tranqüiliza e nos preenche com essa sensação de liberdade – de poder, de realizar. Aos poucos, de forma inconsciente, deixamos tudo isso de lado para tentar entender o outro. Viver a vida e o sonho deste. Amá-lo a um custo que, dificilmente, vamos poder pagar – o preço é a nossa vida, nossos sonhos, nossos valores. Então problemas à frente. Na relação e conosco.

Conosco porque perdemos a oportunidade de nos manter íntegros. Desbotamos. Perdemos a cor. Deixamos de ficar atraentes para o outro e para nós mesmos. Anulamos-nos em função de um algo que entendemos ser maior que nós mesmos: A RELAÇÃO.

Pra baixo
E, nesse caminho, com passagem direta para o fim do poço, perdemos o outro e a NÓS MESMOS. Deixamo-nos abandonar. Não mais sorrimos. Não mais exercemos nossa liberdade. E, iludidos, cegos pela paixão, esperamos que o outro faça o mesmo. Que fique conosco acorrentado – diretamente para baixo, para a lama.

É claro que não fazemos isso de propósito. Fica fácil compreender que fazemos porque é o que sabemos. Não aprendemos a nos relacionar de outra maneira. Não amadurecemos emocionalmente. Não agimos como homens e mulheres, e sim como meninos e meninas – quer dependem de um ou outro para tomar qualquer decisão, até aquelas mais simples.

Exemplos? COLOCAR LIMITES, NÃO CONCEDER O QUE NÃO SE PODE, DEIXAR DE EXISTIR, TORNAR-SE INVISÍVEL NA RELAÇÃO PARA NÃO ATRAPALHAR O OUTRO, DIZER NÃO, BASTA, etc, etc… E, nesse contexto, fica simples prever o fim. Acabamos com a relação e com tudo o que ela poderia nos trazer de bom, de verdadeiro, de amor.

Escolhas
O problema é sempre o mesmo. Fazemos escolhas que não são as melhores para nós. Para nossa vida. Escolhemos pares para nos distrair e não para amar. Escolhemos viver problemas. Abrir mão do sonho. Do amor próprio. Escolhemos aqueles tais que nos destroem emocional e fisicamente.

Por que agimos assim? Talvez porque não saibamos receber. Não aprendemos! Achamos-nos não merecedores de felicidade, de amor, de vínculo, de relações saudáveis. E o quanto antes entendermos essa equação, mais chances de virar o jogo. Mudar a escolha. Acordar para a vida.

Até lá, espero que possamos ser generosos para conosco – assim como temos sido com esses parceiros que nada agregam, ao longo do tempo. Fica aqui uma única certeza: para ser amado, respeitado, admirado há que trabalhar muito o autoconhecimento, a auto-estima, o que se pode ou não se pode.

No mais, te convido a continuar a busca. A busca por si só. Ao final, esse é mesmo o caminho para chegar ao outro verdadeiramente.

Sandra Maia é autora dos livros: Eu Faço Tudo por Você – Histórias e relacionamentos co-dependentes e Você Está Disponível? Um caminho para o amor pleno. Fale com ela no e-mail smaia@brpress.net.

Written by mulhernaopresta

09/02/2010 às 20:52

Publicado em Comportamento, Valorize-se

2 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Esse texto está parecido com o meu…
    http://noauge4ponto0.blogspot.com/2010/02/quando-ela-esta-insuportavel.html
    Parece até uma resposta! Acho que perdi osono e levantei da cama porque tinha mesmo que ler isso…
    Beijos!

    Mulher de 40

    10/02/2010 at 2:58


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: